Cinco Agua: en la casa de los cinco ríos.
: Una poética de las representaciones del agua.

Tesis doctoral

Resumen

Partindo de um pensamento pre-hispánico, estudado por Miguel León Portilla,
e da palavra náhuatl “tlamati” que, segundo Patrick Johansson, significa “saber
e sentir”, a presente tese explora a iconografía pré-hispânica e colonial dos
códices do México Central, assim como a arte popular mexicana, para pensar
e representar a água. Ao mesmo tempo, a linguagem poética desenvolvida
nos trabalhos artísticos é um diálogo com a cidade de Porto Alegre e com o
Guaíba. Os trabalhos desenvolvidos partem de um olhar estrangeiro (México)
o qual traz uma camada cultural das tradições e reflexões sobre a água que se
originam a partir da memória de águas que foram apagadas ou esquecidas.
Diante do Guaíba, início com uma pergunta simples: Como representar a água?
Assim, começou a se desenvolver uma linguagem visual própria que evoca a
água por meio da articulação de noções como memória, altares, cosmovisão
pré-hispânica, apagamento e esquecimento, presentes em obras como: “Altar
Uno Lluvia” (2015), “Casa das águas” (2016), “Altar Cinco Agua” (2017), “Fio
d’água” (2018), que trazem iconografias da infância e de materiais efêmeros
como o papel de seda e as laranjas, além do crochê que carrega um mundo
feminino. Cinco agua: en la casa de los cinco ríos. Uma poética das representações
da água quer sugerir, através do trabalho artístico, a experiência que se pode
ter diante da água.
Fecha de adjudicación28 nov 2018
Idioma originalEspañol (Colombia)
Institución adjudicataria
  • Universidad Federal de Río Grande del Sur
SupervisorHélio Fervenza (Supervisor)

Palabras clave

  • água, representação, cosmovisão pré-hispânica, memória, apagamento.

Citar esto

'